segunda-feira, 12 de fevereiro de 2007

Mais uma vez...

Da outra vez fui já com a consciência do que queria fazer: nada, absolutamente nada.
Não decidir, não pesar em nenhum dos pratos da balança, apenas contar como pessoa existente.

Mas ontem não.
Ontem foi sofrido.
Pensei em não ir.
Mas fui... arrastada pela minha própria consciência, fui.
Sem saber o que fazer. Eu não quero uma coisa mas também não quero outra.
E mais uma vez foi em branco. Não é cobardia, é mesmo conflito de sentimentos opostos.

Com este resultado não estou contente nem triste.
Se o resultado fosse outro, não teria ficado contente nem triste.

Ambos os lados tinham argumentos com sentido.
Ambos os lados tinham argumentos perfeitamente estúpidos.
Para mim, as campanhas só serviram para enfastiar.

O que me deixou triste foi que a minha mãe se interessasse pelo assunto. E o meu pai também foi.
E não falo sobre o voto com a minha mãe, porque tenho medo. Tenho muito medo de saber qual a sua opção.
Mãe é mãe, é sagrada.
E talvez por egoísmo ou não, eu não posso aceitar que a minha mãe me diga que aceita, afinal foi da sua barriga que eu vim.
Tenho uma irmã que adoro.
Mas se agora soubesse que poderia ter tido mais... acho que não conseguiria nunca mais olhar para a minha mãe da mesma forma.
Se ela votou não... está tudo dito.
Se ela votou sim... tudo pode (ou não) ter acontecido - a dúvida é o mais temeroso dos sentimentos.
Não adianta estarem a pensar "que estupidez", não vale a pena porque eu já sei. No fundo todos os medos são estúpidos.

Só quem passa pelas coisas é que sabe dar o real valor.
Eu, felizmente não sei o que é estar do outro lado.
Por isso não consegui decidir-me...
Mas fosse qual fosse o resultado, dada a alta abstenção, seria sempre um resultado "no ar".
É como um jogo de futebol ganho a grandes penalidades.
O resultado nunca é justo.


xxxxxxxx


Aproveito a oportunidade para informar o(s) anónimo(s) que este texto foi feito com um corrector de palavras.
Mas se mesmo assim tiver subsistido algum erro ortográfico faça(m) o favor de corrigir que eu farei a alteração.

Obrigado por existirem.

4 Comments:

Anonymous Anónimo said...

tens de usar sempre o corrector.no texto seguinte já voltaste a escrever "aconteçe" e acontece que acontece não leva cedilha.mas também não conheces os tempos verbais e aí terias de voltar para a primária, o corrector não dá.
matilde

12 fevereiro, 2007 21:15  
Blogger Ana said...

Olha eu!! Bem que necessito de um corrector de palavras urgentemente, ha algumas que nem me lembro como se escreve...
Portanto, nisso nao contes comigo!!
Beijinhos
Ana Felpuda

13 fevereiro, 2007 01:53  
Anonymous Mariaa said...

Estás no teu cantinho, por isso nem vou rebater algumas coisas que aí dizes.
Mas sabes que não concordo. Especialmente quando deixas implicito que se a tua mãe tiver votado SIM, quer dizer que abortou?!
Já lá vai...

14 fevereiro, 2007 12:11  
Anonymous Anónimo said...

olha-me esta, ainda não sabe o que anda cá a fazer e já quer julgar a mãe...e nem sabe o que a mãe votou nem porquê. raio de relação mais estranha...
matilde

14 fevereiro, 2007 20:04  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home